Na última década, houve um rápido crescimento na utilização de dispositivos móveis. Com o uso disseminado de smartphones, os sites recebem cada vez mais tráfego proveniente destes dispositivos. Para se ter uma ideia, atualmente, o número de buscas do Google feitas em dispositivos móveis chega a pouco mais de 50% do total de pesquisas online. Por isso, é preciso considerar os dispositivos móveis como uma fonte importante de tráfego para o seu site. E daí surgiu a ideia da indexação em dispositivos móveis.

É claro que o Google tem apenas uma indexação para desktops e dispositivos móveis. Mas, no caso da indexação em dispositivos móveis, os sites que possuem versões mobile são os que têm “preferência” no Google. Portanto, o Google continuará usando apenas um tipo de indexação, em vez de ter um tipo específico para versões mobile.

Mas, o que é exatamente “indexação em dispositivos móveis”?

A indexação em dispositivos móveis permite que o Google use a versão mobile para dar preferência tanto para indexar quanto ranquear um site. Neste conceito de indexação, a versão mobile dos sites se torna a base para que o Google determine o ranqueamento.

Anteriormente, a indexação do Google usava uma versão desktop do conteúdo de um site, avaliando a relevância de uma página para a consulta de um usuário. Mas, como atualmente a maioria dos usuários acessa o Google por dispositivos móveis, a indexação usará primeiro a versão mobile do conteúdo de um site.

As 8 melhores práticas para a indexação em dispositivos móveis

Depois de mais de um ano e meio de experimentação, o Google finalmente começou a lançar sua indexação em dispositivos móveis, como anunciado em 26 de março de 2018.Existem algumas práticas que o Google sugere na documentação de indexação em dispositivos móveis. Vamos descobrir o que você tem que fazer para a indexação em dispositivos móveis. Recomendamos que você siga estas práticas: ter um site com URL dinâmica ou separada (m.enderecodosite).

  1. Seu site mobile deve ter o mesmo conteúdo que o seu site desktop. Se o site mobile tiver menos conteúdo do que o site desktop, considere atualizar seu site mobile para garantir que seu conteúdo mobile seja equivalente ao do seu site desktop. O conteúdo inclui texto, imagens (com atributos alt) e vídeos. O conteúdo deve estar em formatos rastreáveis e indexáveis.
  2. Os dados devem estar estruturados tanto nas versões mobile quanto desktop do site. As URL dos dados estruturados nas versões mobile devem ser atualizadas para as URL mobile. Verifique o Data Highlighter dashboard para erros de extração se você utilizar o Data Highlighter.
  3. Certifique-se de incluir metadados em ambas as versões do site. Crie títulos e meta descrições equivalentes em todas as versões.
  4. Verifique ambas as versões no Search Console para confirmar seu acesso a dados e mensagens em ambas as versões.
  5. Faça links separados para as versões mobile e desktop da URL usando rel=hreflang para internacionalização.
  6. Já que existe a chance de haver um aumento no tráfego, certifique-se de que seu servidor tem capacidade suficiente para lidar com o aumento na taxa de rastreamento do seu site.
  7. Certifique-se de que as diretrizes robots.txt funcionam como devem, tanto para as versões mobile quanto desktop do seu site. Arquivos robots.txt permitem que os proprietários dos sites controlem partes de um site, seja ele rastreável ou não. Utilize as mesmas diretrizes para as versões mobile e desktop na maioria dos casos.
  8. Corrija as rel=canonical and rel=alternate entre as versões mobile e desktop.

Sites com uma melhor experiência móvel provavelmente serão mais bem ranqueados, mesmo quando acessados de um desktop. De acordo com o Google, “Nossos algoritmos eventualmente usarão a versão mobile do conteúdo de um site para ranquear as páginas desse site”. Mais cedo ou mais tarde, você terá que otimizar seu site para a indexação em dispositivos móveis. Para garantir que você não perca o potencial de tráfego orgânico para seu site, considere realizar a indexação em dispositivos móveis.